PF desativa casas de câmbio clandestinas durante Operação Cara Grande

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

A Polícia Federal, em conjunto com o Ministério Público Federal, deflagrou nesta quinta-feira (4), a Operação Cara Grande, com objetivo de desativar três casas de câmbio que atuavam clandestinamente na compra e venda de moeda estrangeira e na remessa de valores para o exterior.

A operação contou com a participação de 22 policiais federais que cumpriram 6 mandados de busca e apreensão nos municípios de Vitória e Vila Velha/ES, em endereços residenciais e comerciais de proprietários e funcionários das empresas investigadas, em que foram apreendidos diversos documentos, equipamentos de mídia, além de quantia de dinheiro em espécie.

Entenda o caso
A Operação Cara Grande teve início com o recebimento de denúncia anônima relatando a atuação ilegal de empresários no comércio de moeda estrangeiras.

Diligências preliminares confirmaram os fatos narrados na denúncia e mostraram que um dos empresários que vinha atuando ilegalmente já fora investigado pela prática dos mesmos crimes na Operação Paralelo, deflagrada pela PF em 2018.

Com o avanço das investigações foram identificadas três empresas que atuavam no mercado de câmbio de forma clandestina, ou seja, sem a autorização do Banco Central do Brasil.

Essas empresas compravam e vendiam moeda estrangeira em espécie e também realizavam remessas de valores para o exterior na modalidade conhecida como dólar-cabo. Nesse tipo de operação, o interessado em fazer um pagamento no exterior entrega o valor corresponde em reais para o doleiro no Brasil que, por sua vez, utiliza uma conta própria ou de terceiros no exterior para efetuar o pagamento solicitado pelo cliente.

Após o início da pandemia do Coronavírus, essas empresas deixaram de atender os clientes em seus endereços comerciais, porém não cessaram com as atividades ilegais no mercado de câmbio.

A operação policial recebeu o nome Cara Grande, porque esse é um termo muito comum entre os doleiros quando negociam a compra de dólares em espécie. A nota de cem dólares nova tem uma imagem maior do presidente Benjamin Franklin, por isso é chamada de cara grande ou caruda, em oposição às notas antigas impressas antes de 1996, chamadas de cara pequena. A alteração da imagem impressa nas cédulas foi uma das diversas reformulações promovidas pelo banco central dos Estados Unidos para dificultar a produção de notas falsas.

Ao comprar moeda estrangeira no mercado paralelo, com doleiros ao invés de instituições autorizadas, há o risco de adquirir notas falsas. Além disso, a compra e venda no mercado negro contribui para fomentar a movimentação de recursos ligados a diversos tipos de atividades criminosas, como os tráficos de drogas, armas e animais silvestres, a corrupção, a sonegação e a lavagem de dinheiro. Todas essas atividades se utilizam dos serviços de doleiros para transferir recursos entre países sem chamar a atenção das autoridades policiais.

Crimes investigados
Os investigados responderão pelo crime de lavagem de dinheiro e pelos seguintes crimes previstos na Lei dos Crimes Contra o Sistema Financeiro Nacional: operar instituição financeira sem autorização e efetuar operação de câmbio não autorizada com o fim de promover evasão de divisas do País. Com informações da Assessoria de
Comunicação Social da Polícia Federal no Espírito Santo

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!