Metade dos consumidores brasileiros comprometeu mais de 50% da renda com dívidas

No primeiro semestre de 2021, metade dos consumidores brasileiros teve mais de 50% de sua renda comprometida com o pagamento de dívidas, de acordo com a Pesquisa Perfil do Consumidor da Boa Vista, em empresa que aplica inteligência analítica de ponta na transformação de informações para a tomada de decisões em concessão de crédito e negócios em geral. No semestre anterior, eram 47% dos consumidores na mesma situação, o que representa um aumento de três pontos percentuais entre os consumidores com mais da metade da renda comprometida nesta situação. 33% dos consumidores afirmam ter comprometido entre 25% e 50% da renda, enquanto os 17% restantes comprometeram até 25%.

A pesquisa da Boa Vista também constatou aumento entre consumidores com dificuldades em manter as contas em dia. No primeiro semestre deste ano, 57% dos entrevistados afirmaram que pagar as contas em dia estava difícil, contra 54% no semestre imediatamente anterior. “A volta das medidas de restrição contra a pandemia adotadas no primeiro semestre, além da redução do auxílio emergencial no mesmo período são fatores que contribuíram com a dificuldade do consumidor em pagar as contas na primeira metade de 2021”, comenta Flavio Calife, economista da Boa Vista.

Já o nível de endividamento do consumidor se manteve em patamares semelhantes, com 84% dos entrevistados se considerando endividados no primeiro semestre de 2021, contra 83% no segundo semestre de 2020. “Esse dado mostra que o consumidor evitou se endividar mais no início de 2021, muito por conta dos fatores já citados que dificultam a vida financeira do das famílias”, comenta Flavio.

Situação financeira
A Boa Vista também questionou o consumidor sobre como enxerga a situação financeira em relação ao último ano. No primeiro semestre de 2021, 35% consideram a situação pior. No semestre anterior, eram 33% os que tinham a percepção de piora. Outros 35% consideram a situação melhor (vs 38% no semestre anterior) e 30% enxergam a situação igual (vs 29%).

Já em relação às expectativas para 2022, 88% dos consumidores esperam melhora com relação às finanças pessoais. No semestre anterior, estes eram 91%.

O que deixaria de pagar primeiro?
Quando questionados sobre que contas deixariam de pagar primeiro em caso de que diminuição na renda, 56% dos consumidores deixariam de priorizar os financiamentos assumidos por meios de carnês e boletos. Em segundo lugar, o cartão de crédito, com 36%. Por fim, 8% deixariam de pagar empréstimos e dívidas de cheque especial.

Contratação de empréstimo
52% dos consumidores disseram que ao contratar um empréstimo, para quitar uma dívida, levariam em conta principalmente a taxa de juros. 44% dariam mais peso ao valor das parcelas, enquanto 4% se preocupariam mais com o prazo de pagamento.

Metodologia
Mais de 1.500 pessoas, em todo o Brasil, responderam à pesquisa Perfil do Consumidor, da Boa Vista, por meio de questionário eletrônico, ao longo do 1º semestre de 2021. Os resultados consideram 2% de margem de erro e 95% de grau de confiança. Com informações da assessoria de imprensa da Boa Vista.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!