Pandemia aumentou casos de radicalização e apoio ao terrorismo, diz ONU

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

As Nações Unidas participam da reunião do Processo Aqaba sobre terrorismo e a resposta à Covid-19. A iniciativa, lançada pelo Rei da Jordânia, Abdullah II, quer reforçar a cooperação internacional no combate ao extremismo violento.

No evento virtual, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, disse que o momento que o mundo vive é “mais que uma crise global de saúde”, mas “uma virada do jogo para a paz e segurança internacionais”.

Para o chefe da ONU, além de expor a fragilidade da humanidade a pandemia revelou desigualdades sistêmicas e arraigadas que testam a resiliência das sociedades.

Guterres destacou desafios geopolíticos e graves ameaças à segurança.

Segundo ele, a pandemia aumentou as queixas já existentes, minando a coesão social e fomentando conflitos. Uma situação que pode catalisar o alastramento do terrorismo e do extremismo violento.

Sinais de alerta
Para o chefe da ONU, com a pandemia o mundo entrou em uma nova fase volátil e instável.

Os terroristas exploram dificuldades sociais e econômicas causadas pela Covid-19 para radicalizar e recrutar novos seguidores. Para Guterres, é preciso tomar novas decisões como o “repatriamento de combatentes terroristas estrangeiros e seus dependentes para seus países de origem”.

Bioterrorismo
O chefe da ONU destacou que a Covid-19 expôs vulnerabilidades e “formas novas e emergentes de terrorismo, como bioterrorismo e ataques cibernéticos em infraestruturas críticas”.

Em julho, na Semana Virtual de Contra Terrorismo, a ONU e os países se comprometeram a combater o terrorismo e o extremismo violento. Com ONU News.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!