Região metropolitana de São Paulo tem novo horário de pico

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Pesquisa Origem Destino (OD) 2017, apresentada nesta quarta (3) pelo Metrô de São Paulo, mostrou que o horário do meio-dia passou a ser o mais movimentado na região metropolitana de São Paulo, ao chegar aos 5,2 milhões de viagens diárias. Esse número, que é 30% maior do que registrado em 2007 considera as viagens motorizadas ou não, ultrapassa os picos da manhã (4,5 milhões) e da tarde (4 milhões). As viagens motorizadas são aquelas feitas por metrô, trem, ônibus, automóveis e motocicletas, sendo as não motorizadas realizadas por bicicleta ou a pé.

A pesquisa destaca a redução de 10% do tempo médio de viagem das pessoas nos transportes coletivos na região. A média atual fica em 60 minutos, contra 67 minutos em 2007. De forma geral, o tempo médio das viagens em todos os modos caiu 14%: de 39 para 34 minutos, entre 2007 e 2017.

A maior queda ocorreu nos modos não motorizados (bicicleta ou a pé), cujo tempo médio caiu 24%, passando de 17 para 13 minutos. Nas viagens motorizadas houve aumento das viagens por transporte sobre trilhos (metrô e trem). “A taxa de crescimento de 53% neste sistema está relacionada aos altos investimentos na ampliação da rede de metrô, que cresceu 46% (28,4 km) entre 2007 e 2017, saindo de 61,4 para 89,8 km de extensão, e também na melhoria da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos,” diz o Metrô.

Segundo os dados, o deslocamento feito pelas mulheres por meio do transporte público cresceu 10%, ficando maior do que o índice dos homens que teve queda de 3% no período de dez anos.
As viagens de táxi tiveram crescimento de 414%, reflexo da entrada em operação dos serviços demandados por aplicativos, que são 79% do total de viagens desse modo. O automóvel continua liderando com 11,3 milhões de viagens por dia.

A Pesquisa OD é o maior levantamento de mobilidade urbana realizado no Brasil. Os dados são apurados a cada 10 anos pelo Metrô. “A partir dos resultados, é possível entender a mobilidade e a forma como as pessoas se deslocam na Região Metropolitana de São Paulo. Isso possibilita o mapeamento dos deslocamentos e das atividades econômicas da Grande São Paulo para o planejamento do transporte público”.

Na edição de 2017, foram 11 meses de trabalho para a coleta das informações com a participação de aproximadamente 160 mil pessoas nas 39 cidades que formam a Região Metropolitana de São Paulo. As entrevistas foram feitas em residências, rodovias, aeroportos e terminais rodoviários. Com Agência Brasil

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!