Demanda por Crédito do Consumidor diminuiu 1,9% em junho

O indicador da Boa Vista de Demanda por Crédito do Consumidor registrou a terceira queda consecutiva na comparação mensal dos dados dessazonalizados, desta vez, de 1,9% entre os meses de maio e junho. No 2º trimestre a retração em comparação ao 1º trimestre foi de 7,2%.

Por outro lado, na série de dados originais foi verificado um aumento de 1,6% na comparação interanual e de 3,5% na comparação entre o 2º trimestre de 2022 e o 2º trimestre de 2021. Mais tímidas, as variações fizeram com que os resultados acumulados desacelerassem. No 1º semestre do ano o crescimento do indicador passou de 9,9% até maio para 8,5% com os dados de junho, já na análise de longo prazo, medida pela variação acumulada em 12 meses, o crescimento passou de 10,1% para 9,1% no mesmo período.

No mês, os segmentos Financeiro e Não Financeiro caminharam na mesma direção, o primeiro caiu 2,4% e o segundo 1,6%. Esse padrão também foi verificado na comparação entre o 2º trimestre de 2022 e o 1º trimestre do mesmo ano, só que neste caso a queda foi mais forte no segmento Não Financeiro (-7,8% x -6,4%). Já na comparação interanual os movimentos foram distintos. Enquanto no segmento Financeiro fora observada alta de 13,3%, ainda assim, insuficiente para frear a desaceleração do crescimento na curva de longo prazo, que passou de 18,5% para 17,4%, no segmento Não Financeiro o indicador recuou 6,2% e no acumulado em 12 meses o crescimento passou de 4,4% para 3,6%.

“Essa desaceleração no ritmo de crescimento do indicador já era esperada e vem se confirmando mês a mês. O crédito ainda é muito forte e deverá encerrar o ano em alta, mas essa tendência deve ser mantida ao longo do próximo semestre. O custo do crédito é elevado e essa é a principal razão que justifica essa expectativa de desaceleração, não apenas do crédito, como também, da economia”, explica Flavio Calife, economista da Boa Vista.

Esse custo, por sinal, tende a continuar subindo, não só porque o custo de captação deve acompanhar a Selic, a expectativa é de que a taxa aumente em 0,5 ponto percentual, para 13,75%, na reunião do Copom agendada para os dias 2 e 3 de agosto, como também, pela elevação do spread, acompanhado uma tendência de alta que tem sido projetada nas taxas de inadimplência do consumidor. Com informações da assessoria de imprensa da Boa Vista

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!