Aço Brasil teme redução nas vendas externas devido a cota de importação

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

A imposição de cotas de importação de aço pelos Estados Unidos pode reduzir as vendas brasileiras em até 60%, dependendo do produto, disse nesta quarta (2) o presidente executivo do Instituto Aço Brasil, Marco Polo de Mello Lopes, em entrevista coletiva por teleconferência.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Na última quinta-feira (26), o governo dos Estados Unidos surpreendeu ao informar que as condições políticas para a manutenção das negociações tinham mudado e que o Brasil teria que decidir se aceitaria a proposta americana de imposição de cotas. A conta é calculada pelo volume médio das exportações feitas de 2015 a 2017 para produtos semiacabados e acabados. No caso de produtos acabados, há ainda a aplicação de redutor de 30% sobre o volume médio nesse período.

Para evitar a alternativa dos Estados Unidos da sobretaxa de 25%, o Conselho Diretor do Instituto Aço Brasil decidiu aceitar a imposição de cotas. Segundo Lopes, a proposta dos Estados Unidos, colocada na mesa de negociações, era “pegar ou largar”. Ele acrescentou que a decisão de aceitar foi tomada devido à relevância das exportações brasileiras de aço para os Estados Unidos, que correspondem a um terço do total.

Lopes acrescentou que, para tomar a decisão, também foi considerada a necessidade de se manter o uso da capacidade instalada do setor, atualmente em 68%.

Segundo Lopes, com as cotas, serão exportadas aos Estados Unidos 3,5 milhões de toneladas de aço semiacabado e 496 mil toneladas de acabado.

O Instituto Aço Brasil defendeu, nas negociações, o sistema soft quota (cota suave). Por esse sistema, quando o limite fosse atingido, haveria sobretaxa sobre as vendas. Mas os Estados Unidos impuseram o sistema hard quota (cota dura), pelo qual, uma vez atingido o teto, as vendas são suspendas. Os volumes exportados serão contabilizados a partir de janeiro deste ano. Segundo Lopes, os limites das cotas podem ser ajustados se houver necessidade.

Segundo o instituto, 81% das exportações do Brasil são de produtos semiacabados encaminhados para produtores de aço locais para laminação e acabamento. Com Agência Brasil

PUBLICIDADE
Don`t copy text!