Mandante de chacina em MT está foragido; 2 suspeitos de execuções foram presos

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Google Maps

Quase duas semanas após a chacina de nove moradores de um assentamento em Colniza (MT), os órgãos de segurança de Mato Grosso continuam em busca do mandante do crime, que é considerado foragido. De acordo com a Polícia Civil, o suspeito de ordenar as execuções já foi identificado e as autoridades negociam a entrega com seu advogado.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Em entrevista coletiva para detalhar as investigações até o momento, o secretário de Segurança Pública de Mato Grosso, Roger Jarbas, disse que, apesar dos conflitos fundiários na região, as razões do massacre teriam sido a disputa pela madeira. “A motivação, ao que tudo indica até agora, é a exploração ilegal de madeira e de minério na região”, afirmou.

Dois suspeitos dos assassinatos foram presos no domingo (30) e segunda (1º): Pedro Ramos Nogueira, conhecido como Doca, de 52 anos, e o sobrinho dele, Paulo Neves Nogueira, de 35. A identidade de outros dois envolvidos também foi divulgada pela polícia: Ronaldo Dalmoneck, conhecido como Sula, e suspeito de ser o responsável pela decapitação de algumas das vítimas; e Moisés Ferreira de Souza.

De acordo com as investigações, Souza é o chefe do grupo dos “encapuzados”, que já havia feito ameaças aos moradores do local. Ex-policial militar de Rondônia, ele teria treinado os executores do crime, de acordo com a Polícia Civil. Os quatro tiveram as fotografias divulgadas pelo governo estadual nesta terça-feira (2).

Segundo o titular da Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção à Pessoa, Marcelo Miranda, os dois presos estão colaborando com as investigações. “Estamos mantendo sob sigilo a identidade do mandante porque, no momento, ele se encontra foragido e estamos procurando, por meio do advogado dele, para que se apresente o mais rápido possível. Precisamos manter em sigilo para que efetivamente ele não se evada e a gente efetivamente não faça a prisão.”

A chacina ocorreu no dia 20 de abril, perto do distrito de Guariba, em uma área denominada Taquaruçu do Norte, a 350 quilômetros da sede de Colniza. O município, que é um dos líderes no ranking de desmatamento na Amazônia, fica a 1.065 quilômetros de Cuiabá. De acordo com a Comissão Pastoral da Terra (CPT), há mais de 10 anos são comuns conflitos fundiários no local, onde já ocorreram outros assassinatos e agressões.

“A situação aparentemente se tranquilizou. Algumas famílias estão voltando”, disse o delegado Miranda. Nos últimos dias, moradores da área começaram a deixar suas casas com medo de novos episódios de violência.

Denúncias
Segundo o delegado regional de Juína, José Carlos de Almeida Júnior, as polícias Militar e Civil vinham fazendo o trabalho de inteligência e prevenção dos crimes na região, mas a situação era complexa. “As pessoas que eram ameaçadas chegavam à delegacia e diziam que eram apenas esses encapuzados. Não tinham coragem de mencionar os nomes. Não havia colaboração, muito em razão do medo das pessoas que lá estavam. Chegavam na delegacia e falavam: ‘olha, a gente vai falar aqui, depois quem vai fazer a nossa segurança?’”

Ainda de acordo com Almeida Júnior, as varreduras eram prejudicadas pois o assentamento é de difícil acesso e antes que as viaturas chegassem ao local, os criminosos eram avisados por um serviço de “contrainteligência”. Com Agência Brasil

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!