COVID-19 em MG: 39.084 casos suspeitos; quatro mortes confirmadas e 55 em investigação

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

O secretário adjunto de Saúde, Marcelo Cabral, e o subsecretário de Vigilância em Saúde, Dario Brock Ramalho, participaram, nesta quinta-feira (2), na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte, de mais uma coletiva virtual sobre a situação da pandemia de Covid-19 em Minas Gerais.

“Para iniciar, em relação aos dados publicados no boletim divulgado, às 10h, desta quinta-feira, informamos que ocorreu um erro na extração das informações no sistema onde ficam disponíveis os resultados de exames realizados pela Fundação Ezequiel Dias (Funed). Dessa forma, destacamos que não há, até o momento, óbitos confirmados nos municípios de Juiz de Fora, Contagem e São Gonçalo do Rio Preto. Assim que foi detectado o equívoco, o boletim foi retirado de nossos sites e redes sociais. Pedimos desculpas pelo ocorrido e ressaltamos que todas as medidas necessárias já foram tomadas para que essa situação não volte a ocorrer. Informamos que o novo boletim, com as devidas atualizações, já está disponível”, afirmou o secretário adjunto de Saúde, Marcelo Cabral.

De acordo com a atualização do boletim, realizada hoje, às 16h30, Minas Gerais apresenta 39.084 casos suspeitos; 370 casos confirmados; 55 óbitos em investigação e quatro óbitos confirmados. Na ocasião, o secretário também abordou a situação dos leitos no estado.

“Há 2.013 leitos de UTI adulto. Desse total, há 66 pacientes internados em decorrência do Covid-19 ou por suspeita da doença. A taxa de ocupação de leitos de UTI, em relação ao coronavírus, é de 3%. Vinte e um pacientes que estavam internados em leitos desse tipo por suspeita da doença, já receberam alta. Já em relação aos leitos clínicos, o Estado possui 11.625 leitos clínicos. Desses, há 286 pessoas internadas em decorrência do Covid-19 ou por suspeita da comorbidade e 348 receberam alta. A taxa de ocupação de leitos clínicos, em relação ao Covid-19, é de 2%”, informou Cabral. A taxa de ocupação de leitos, de forma geral, no Estado está em cerca de 60%.

Habilitação de Laboratórios
A Funed, por meio da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), publicou nesta quinta-feira, 2/4, a habilitação de 19 laboratórios aptos a realizarem o diagnóstico para identificação da Covid-19. “Essa ampliação permite que a Funded viabilize até 1.800 amostras por dia, dando mais condições ao enfrentamento e diagnóstico da pandemia”, pontuou.

O canal de atendimento via telefone, LigMinas (155), disponibilizou hoje informações em relação ao coronavírus para cidadãos e profissionais de Saúde. “O canal possibilita que toda a população tenha acesso às informações relevantes do Covid-19”, afirmou.

O subsecretário de Vigilância em Saúde, Dario Brock Ramalho, explicou que, por se tratar de um vírus novo, contra o qual o ser humano ainda não possui imunidade, e ser uma doença de fácil transmissão, é provável que a maior parte da população em algum momento seja contaminada.

“No entanto, é importante frisar que a maior parte das pessoas terá sintomas leves ou, ainda, será assintomática. O isolamento social visa essencialmente desacelerar a rapidez com que o contágio é feito. Dessa forma, não há sobrecarga no Sistema de Saúde ao mesmo tempo e os casos ocorrem de forma espaçada”, explicou Dario.

Testes rápidos
As unidades de testes rápidos, enviadas pelo Ministério da Saúde, também foi abordada. “Temos que ressaltar sempre que o teste rápido não substitui o PCR, exame realizado na Funed, que analisa a presença do vírus na mucosa e secreções nasais. Os kits de testes rápidos identificam anticorpos já gerados pelo vírus, ou seja, eles têm como objetivo saber se pessoa já teve ou não contato com a doença em algum momento de sua vida. O teste rápido não serve para identificar se a pessoa possui, neste momento, o coronavírus. Ele apenas detecta se ela já teve, em algum momento, a infecção. Nesta fase essencial, será restrito aos profissionais de Saúde e de Segurança, essencialmente para recompor força de trabalho, pois o exame é eficaz somente após sete dias, tempo em que o organismo desenvolve anticorpos contra a doença”, explicou o subsecretário.

“Nós precisamos ficar atentos para que a medida do isolamento social, bem como as informações que vêm sendo dadas à população – como lavar as mãos com frequência, evitar cumprimentos e proximidade, entre outras – sejam seguidas. Ressaltamos que todos prestem atenção e façam o isolamento social para que tenhamos condições de achatar ao máximo possível a curva da pandemia, evitando a sobrecarga do Sistema de Saúde e, assim, atender da melhor forma possível toda a população”, finalizou o secretário adjunto, Marcelo Cabral. Com Agência Minas

PUBLICIDADE
Don`t copy text!