18 cães e gatos de Brumadinho com deficiências físicas, doentes ou idosos ganham novos lares

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Apesar de possuir apenas três patas, Duque é um cão ativo e brincalhão e um dos 18 pets especiais adotados em Brumadinho ao longo de 2020. O animal foi abandonado e resgatado pela equipe de veterinários da Vale. Na Fazenda Abrigo de Fauna, Duque recebeu todos os cuidados necessários, passou por uma bateria de exames, foi vermifugado, castrado e reabilitado. Um pet nestas condições, salvo alguns cuidados específicos por conta de suas limitações físicas, tem a mesma capacidade para desenvolver uma amizade, brincar e participar ativamente das atividades como qualquer outro cão e gato.

Após um longo processo, Duque foi liberado para adoção e encontrou um novo lar. “Quando conhecemos o Duque ficamos apaixonados, a limitação física foi apenas um detalhe. Ele se adaptou rapidamente a nossa casa e a família, é um animal especial em todos em sentidos. Ele nos oferece muito carinho, joga bola com meus filhos, João Mateus (11) e Marina Neves (10), corre e se movimenta bastante, estamos muito felizes. Ele encontrou um novo lar e nós entramos mais um amigo”, destaca Rogério Ramos, tutor do Duque.

São considerados especiais não somente os pets com problemas físicos, mas todos aqueles que necessitarão de cuidados especiais. Um gato ou cachorro idoso, por mais saudável que esteja, vai precisar de cuidados extras que por vezes afugentam os futuros adotantes. Atualmente 40 cães e 5 gatos nestas condições aguardam por um novo lar. Outros 135 pets “saudáveis” foram adotados ao longo do último através de processo conduzido de forma on-line.

As deficiências mais comuns entre os pets para adoção são sequelas de atropelamentos e de maus-tratos, como cegueira, paralisia e amputação de algum membro. Há também casos em que o animal já nasce com algum tipo de deficiência, assim como casos onde a deficiência é desenvolvida por um problema de saúde, como a diabetes e a Leishmaniose.

“A maioria das pessoas buscam por filhotes na hora de adotar um pet. No entanto, é importante lembrar que os animais com mais idade ou com necessidades especiais também precisam de um lar. Eles são carinhosos e companheiros como qualquer outro animal clinicamente saudável ou mais jovem, mas acabam esperando até sete vezes mais na fila de adoção. Quando esses animais são adotados, eles passam a se sentir aceitos, integrados e se adaptam à uma nova realidade, ao tutor e à família que os recebe. Os animais são agradecidos e isso transcende, é possível sentir”, destaca Magda Castro, analista ambiental e Gestora da Fazenda Abrigo de Fauna.

A desinformação é um dos fatores que impede a adoção de animais deficientes e idosos. Os cuidados são maiores, mas a satisfação e o amor que eles dão também são. “Eu conheci o Francisco na Fazenda Abrigo de Fauna, ele é um cão idoso e foi diagnosticado com Leishmaniose. Não pensei duas vezes em adotar, foi amor à primeira vista. A doença está controlada, ele convive muito bem com outros animais e com a minha família, inclusive ajudou meu avô, Nélito de Almeida (79), a sair de uma depressão”, destaca Gabrielle Dias, tutora do Francisco.

Processo de adoção
A equipe de veterinários da Vale foi treinada para realizar entrevistas virtuais e todo o processo de adoção pode ser realizado também à distância. Em caso de sucesso, os veterinários realizam uma visita técnica na casa do interessado, uma vez que um pet especial precisa de um ambiente que seja passível de adaptação. A Vale ainda acompanha o animalzinho ao longo dos seis primeiros meses. A ação faz parte do Plano de Proteção à Fauna, apresentado pela Vale aos órgãos públicos.

Cerca de 160 animais, sendo 45 especiais, entre cães e gatos ainda estão disponíveis para adoção. É possível conhecer os animais que esperam um novo lar pelo site: www.vale.com/melevapracasa.

Fazenda Abrigo de Fauna
Desde o rompimento da barragem B1, em Brumadinho, a Vale mantém uma estrutura para identificação, cuidado e abrigo de animais domésticos e silvestres das áreas atingidas, batizada de Fazenda Abrigo de Fauna. No local, uma equipe de veterinários trata e acolhe animais domésticos e silvestres resgatados em áreas atingidas pelo rompimento, encontrados em locais de obras emergenciais, em situação de risco nas comunidades impactadas ou deixados voluntariamente para adoção por seus antigos tutores.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!