OMS diz que Covid-19 gerou interrupções em sistemas de saúde de 90% dos países

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

A Organização Mundial da Saúde (OMS), realizou um estudo com 105 países para conhecer os efeitos da pandemia sobre o atendimento durante a crise.

Segundo a agência, 90% dos países pesquisados reportaram interrupções nos serviços de saúde por causa da Covid-19. A pesquisa foi realizada com base em dados coletados entre março e junho.

Câncer e HIV
Dentre os atendimentos suspensos estavam exames de rotina e seletivos. Já os exames preventivos contra câncer e terapia antirretroviral para pacientes com HIV sofreram cortes críticos e perigosos para a população afetada.

(Leia aqui a pesquisa em inglês survey on the impact of COVID-19 on health systems )

Os países de rendas baixa e média foram os mais atingidos. O diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, disse que a pesquisa mostra as falhas dos sistemas de saúde e informa sobre novas estratégias para melhorar o setor durante e após essa pandemia.

Segundo ele, a Covid-19 deve servir de lição para todos os países de que a saúde não é uma questão de escolha, e que o mundo deve se preparar melhor para emergências ao mesmo tempo que segue investindo no setor.

O estudo mostra que, em média, os países tiveram interrupções na metade de uma série de 25 serviços primários incluindo vacinação de rotina, diagnósticos de doenças não transmissíveis e tratamento, em quase 70%. Serviços de planejamento familiar e contracepção foram afetados em 68% seguidos de tratamento para distúrbios mentais (61%) e câncer (55%).

Malária e tuberculose
Alguns países também notificaram suspensões no diagnóstico e tratamento da malária (46%), tuberculose (42%) e tratamento antirretroviral (32%). Outras áreas como cuidados odontológicos foram suspensas com base nas medidas do governo.

A OMS afirma que essas lacunas devem provocar efeitos de curto e longo prazos sobre os pacientes, que ficaram sem atendimento.

A pesquisa ainda mostra que serviços vitais foram suspensos em um quarto dos países como emergência 24 horas, que foram afetadas em 22%, seguidas de transfusão de sangue em operações de emergência.

Plataforma online
Durante os primeiros meses da pandemia, muitos trabalhadores de saúde tiveram de ser remanejados para atender a emergência além de outros fatores que levaram às interrupções dos serviços.

A OMS informou que vai continuar atuando com os países para fornecer apoio e tratar da lacuna causada pela Covid-19.

A Agência está lançando uma plataforma online para troca de experiência e inovações entre os países que podem ajudar na resposta global à pandemia.

A OMS enviou o questionário a 159 países e obteve dados de 105. Participaram funcionários-sêniores dos Ministérios e outros trabalhadores do setor.

Comissão Europeia e Covax
Numa nota separada, nesta segunda-feira, a Comissão Europeia informou seu interesse de se juntar à Iniciativa de Acesso Global à Vacina da Covid-19, Covax.

O objetivo é fornecer acesso igualitário às futuras imunizações contra a pandemia em qualquer parte do mundo e para qualquer pessoa que precise. Como parte da decisão, a Comissão Europeia anunciou uma contribuição de 400 milhões de euros para a iniciativa. Com ONU News

PUBLICIDADE
Don`t copy text!