Conselho de Segurança da ONU debate ataques cibernéticos à infraestrutura

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

O aumento de ataques cibernéticos a serviços de infraestrutura durante a pandemia e num momento de alta dependência das plataformas digitais foi o tema de um encontro a portas fechadas no Conselho de Segurança da ONU.

Nos últimos meses, crimes na internet utilizando vírus, malware, e-mails fraudulentos e roubo de identidades se multiplicaram. Muitos desses ataques foram realizados contra serviços de infraestrutura vitais, como no setor de saúde pública.

Perigo
O encontro foi organizado por Bélgica, Estônia, Indonésia e Vietnã. Além dos países do Conselho de Segurança, participaram representantes da Organização Cruz Vermelha, do Escritório de Assistência Humanitária da ONU e outros parceiros.

Em seu discurso, o vice-representante da Alemanha, Günter Sautter, lembrou que com a crise da pandemia, muitas pessoas ficaram mais expostas a ataques.

Sautter disse que a Alemanha condena esses crimes que também colocam a vida da pessoas em perigo.

Países
Ele ressaltou que os países não podem apoiar tecnologias de comunicação e informação contrárias às obrigações com o direito internacional, muito menos sob o risco de escalarem e criarem tensões.

Para o representante da Alemanha, nenhum ator internacional deveria prejudicar a integridade e acesso do público à internet o que é vital para a estabilidade no espaço virtual.

O diplomata ressaltou que pequenos mal entendidos virtuais podem levar a conflitos reais no mundo.

União Europeia
A Alemanha afirma que a questão da segurança cibernética e o aumento de ataques na internet são um tema importante para o Conselho de Segurança, e que os princípios de tratados internacionais e da Carta da ONU assim como da lei humanitária internacional valem fora da internet e no espaço virtual.

União Europeia também promove sanções contra esse tipo de ataque para responder de forma firme ao crime

Para Sautter, é preciso implementar normas juridicamente obrigatórias ou não para a responsabilidade no espaço virtual.

Ele finalizou dizendo que a Alemanha e a União Europeia têm tentado evitar ataques cibernéticos e aumentam, constantemente, a resiliência nessa área.

Banco Mundial Além disso, a União Europeia também promove sanções contra esse tipo de ataque para responder de forma firme ao crime.

A Alemanha também participa do Chamado de Paris que reúne atores estatais e privados para aumentar a estabilidade cibernética.

Uma parceria com a Organização para Segurança e Cooperação na Europa apoia o Fórum Global sobre Expertise Cibernética, que é parte da Parceria de Desenvolvimento Digital do Banco Mundial.

O governo alemão promove ainda a regulação do uso militar da inteligência artificial e das armas autônomas letais, conhecidas como robôs assassinos.

O tema deve ser debatido num encontro de alto nível em setembro, na ONU. Com ONU News

PUBLICIDADE
Don`t copy text!