Vigilância Sanitária começa a buscar focos de Aedes aegypti no Rio de Janeiro

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Técnicos da Vigilância Sanitária da cidade do Rio de Janeiro começam nesta quarta (1º) a buscar focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya, durante inspeções de rotina que verificam as condições de higiene de estabelecimentos comerciais e de serviços. As inspeções da vigilância envolverão bares, restaurantes, clínicas, hospitais e pet shops, entre outros.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Além da inspeção rotineira, serão verificados possíveis focos de proliferação do mosquito, que ofereçam riscos a clientes, pacientes e trabalhadores. Durante a primeira visita dos técnicos, eles orientarão o estabelecimento. Se, numa segunda visita, forem constatados focos do mosquito, haverá multas ou até interdição do local.

“Estabelecemos um roteiro que possibilitará que todos os segmentos da Vigilância Sanitária atuem em conjunto contra o mosquito. Com esse roteiro será possível também termos uma noção exata de quantos estabelecimentos, por exemplo, tiveram que fechar as portas por não estarem combatendo o Aedes”, disse a subsecretária de Vigilância Sanitária municipal, Márcia Rolim.

O roteiro de inspeção é voltado para situações já rotineiras como acúmulo de água em plantas, pneus e garrafas, assim como outros focos de proliferação por vezes esquecidos como aquários de peixes, bebedouros de animais domésticos e obras da construção civil. Além disso, com a chegada do carnaval, sobe também o alerta, segundo Márcia.

“Estaremos muito presentes, atuando nos blocos e nos desfiles, fiscalizando potenciais focos. Algo que costuma acontecer nessa época são caçambas de lixo que acumulam água de chuva e assim proliferam os mosquitos. A sociedade pode ter a segurança de que a Vigilância Sanitária estará identificando e combatendo quaisquer possibilidades de surgimento de doenças”, garantiu.

Ao solicitar o licenciamento sanitário, o proprietário do estabelecimento também terá que responder perguntas sobre o combate ao Aedes aegypti e se comprometer a seguir um roteiro de prevenção. Assim que a licença for emitida, técnicos da Vigilância Sanitária irão ao local verificar o cumprimento dessas exigências. Com Agência Brasil

PUBLICIDADE
Don`t copy text!